Segurança psicológica em tempos de pandemia

🇧🇷  escrito em português brasileiro

~‏‏‎ ‎‏‏‎ ‎7m 24s ‎‏‏‎ ‎‏‏‎⌛

Segurança psicológica não existe em um vácuo. Afinal cada de um de nós vive em uma complexa trama de papéis e relações com outras pessoas e o mundo ao redor e não podemos simplesmente deixar nossos problemas de lado ou esperar que que uma área afeta a outra. Fazemos o nosso melhor, mas é impossível. E o que fazer vivendo em nossos tempos de pandemia? A pergunta, que acredito, gostaríamos que fosse apenas retórica ou exploração de uma hipótese, revirou nossa realidade de penas para o ar – ao menos a realidade de nós, privilegiados o bastante, para poder trabalhar a distância, de forma remota. Distopia é cada vez mais, rotina. Como ficar bem. Eu não estou bem. E vocês, como estão?

# A importância da segurança psicológica

Estratégias de otimização de entrega de software
Estratégias para otimização da melhora de entrega de software

Um dos livros que tiveram maior impacto em mim e em meu trabalho – aquele para o qual eu posso traçar vários momentos decisivos foi a leitura de Accelerate: The Science of Lean Software and DevOps: Building and Scaling High Performing Technology Organizations da Dr. Nicole Forsgren, PhD et al.. A imagem acima é retirada do último reporte The State of DevOps de 2019.

Todas estratégias possuem um ponto em comum; iniciam com a segurança psicológica. Com o software devorando tudo, todas as empresas que gerenciam e criam algum tipo de software ou aplicativo, entrega software e software que é consistente, não fica muito tempo indisponível ou que qualquer apagão é rapidamente corrigido não simplesmente, acontece. Precisam ser criadas as condições necessárias para isso. E é um esforço contínuo.

# Elementos da segurança psicológica

A decisão acadêmica de segurança psicológica que usamos se baseia na pesquisa de William A. Khan (1990): “Segurança psicológica é ser capaz de mostrar e se colocar sem medo de consequências negativas de auto-imagem, status ou carreira”. Membros do time se sentem aceitos e respeitados.

Há toda uma metodologia para mensurar segurança psicológica. Há muito mais a se aprofundar mas existem dez questões aos quais se pede uma avaliação de 1 a 5. Sendo 1 em desacordo com a afirmação e 5 em acordo com afirmação. São elas:

  1. Neste time, eu entendo o que é esperado de mim.
  2. Nós valorizamos mais os resultados do que constantes atualizações, e ninguém precisa “parecer ocupado”
  3. Se eu errar nesse time, isso nunca será usado contra mim.
  4. Quando algo dá errado, nós trabalhamos como um time para encontrar a causa sistemática.
  5. Todos os membros deste time se sentem aptos a trazerem problemas e situações difíceis.
  6. Membros deste time nunca rejeitam outros por serem diferentes e ninguém é deixado de lado.
  7. É seguro tomar riscos neste time.
  8. É fácil para mim pedir aos membros deste time por ajuda.
  9. Ninguém neste time deliberadamente agiria de uma forma para desmerecer meus esforços.
  10. Trabalhando com membros deste time, minhas habilidades únicas são valorizadas e utilizadas.

# Trabalho em tempos de pandemia

Trabalho remoto traz consigo vários desafios. Como construir um time? Um grupo de pessoas trabalhando em um projeto não faz deles um time, por mais qualificadas que sejam. E várias outras questões nenhum pouco triviais. E de repente, o mundo todo (que pode trabalhar de casa, geralmente através do computador, o que talvez faça um mundo pequeno, certamente menor do que o mundo que não faz parte dessas classes de trabalhadores) se viu trabalhando remotamente. Acontece que isso apresentou desafios ao quadrado.

Trabalho remoto em tempos de pandemia !== Trabalho Remoto

Muitos de nós tiveram que aprender e descobrir novas formas de trabalhar (para aqueles que não trabalhavam remotamente ou mesmo, aqueles como eu, que devido a uma experiência no início da carreira, era totalmente averso), tivemos que nos adaptar. De um dia para o outro, o mundo virou de ponta cabeça para nós.

E no momento em que escrevo, 02 de maio de 2021, várias nacionais já começam a viver o “pós-pandemia” e nós atingimos o recorde de pessoas mortas, mais de 400.000 mil mortos, registrados. Antes da pandemia nós já utilizávamos em nossos daily standup meetings uma classificação “verde/amarelo/vermelho” de saúde, para entender como cada um estava.

# “Tudo bem?”

Não. Claro que não. Quem poderia? Mas mesmo assim, nos perguntamos. E a verdade, é que precisamos sempre nos perguntar isso, ainda que a resposta não seja a que gostaríamos de ouvir.

Com o remoto, passamos a ter um canal em nosso Slack chamando remotedailymeeting para que cada um possa a seu tempo, fazer o mesmo ritual que fazíamos todos juntos, mas desta vez de forma assíncrona e passamos a adotar uma forma de mensurar de uma forma melhor com o o time está. Para isso adaptei o Health Check como apresentado nesta postagem de Muriel Dias falando de seu uso na Quinto Andar. Fiz uma troca de palavreado de “Senso de dono/a” para responsabilidade, pois acredito que essa ideia de “dono”, que pode ser uma tentativa de traduzir ownership, porém há muitas ramificações sociais, econômicas e até de relacionamento legal da empresa com os funcionários que me causa dissonância cognitiva e resolvi alterar. E coloquei Segurança Psicológica no topo ao invés de no fim e outros ajustes para o time de desenvolvimento com a mesma escala (👍 / 😐 / 👎) e tem funcionado bem.

Health Check
Exemplo de visão de checagem em nosso time. O sentimento de baixa produtividade tem sido constante

Tentamos fazer o mínimo de reuniões possíveis, nunca ninguém é obrigado a ligar suas câmeras. Tive esta conversa com todas as pessoas – as pessoas precisam ter agência e decidir o que consideram mais confortável. Reuniões externas não há outro jeito, mas por sorte, em desenvolvimento, temos formas imersivas, como por exemplo, o mob programming. Para mim foi uma das grandes descobertas do trabalho remoto. Uma expansão do pair programming, só adicionando mais pessoas na equação e é impressionante como a inteligência coletiva das pessoas operando em desenvolver juntos é uma atividade bem instigante. Tivemos grandes sessões esse ano.

Outras formas de construir uma linguagem e contexto ao time que encontramos foi o que chamamos de “Imersões”: sessões dedicadas a um determinado assunto, variando o nível de profundidade, mas sempre partindo de nossos casos de uso e buscando explorar os fundamentos. Outra foi o uso do MetroRetro para retrospectivas – excelente ferramenta, não apenas para retrospectivas mas também pára planejamento de sprints e o Miro que substituiu o meu uso do flipchart.

Estratégias de otimização de entrega de software
Exemplo do Miro para elaboração de gráfico de dependências e planejamento

Tivemos semanas de quatro dias. E mesmo nosso time não existe no vácuo. Nós somos membros de outros times. Em cada um deles temos níveis de segurança psicológica diferentes. Há algumas pessoas / grupos que possuem tons de comunicação e necessidades de interação que outros não exigem. Muito de nossa comunicação é não-verbal e com o trabalho remoto, muito disso se perde, até por que muitas vezes o trabalho será assíncrono. Podemos adotar horários mais maleáveis e para quem possui filhos, é impossível simplesmente “ir trabalhar”; Todos nós (novamente, desta bolha), passamos a “viver no trabalho”.

No final o que precisamos é ser generosos – generosos com todos. Se aquilo que passamos a maior parte de nossa vida desperta é o nosso trabalho, pelo menos vamos tentar fazer de uma forma que melhor se adapte ao que estamos vivendo. Para mim, os primeiros meses foram tenebrosos. O peso cognitivo de ter que contextualizar e ajudar cada um de meu time, enquanto manter algumas datas de entrega, fizeram com que eu rapidamente perdesse o controle. E ficasse cansado, desmotivado. Deprimido. E sabia que aquilo poderia estar e estava se desdobrando com cada outra pessoa no time. Então falamos a respeito.

E continuaremos a falar. Não há “fim do projeto” em se tratando de segurança psicológica. E em tempos de pandemia, simplesmente não temos como levar em conta nada. Minha avó morreu em meio a um ataque aos nossos servidores e eu era o único apto a fazer os procedimentos. Por conta do protocolo do COVID-19, ela no interior, nem mesmo teria um velório. O luto é muito diferente para mim. Estou em outra cidade. Não a via a meses. Não há uma sensação clara de perda, embora algumas vezes me surpreende, tomando toda a atenção do meu foco.

E então eu percebo porque tudo começa com segurança psicológica. Por que desenvolver: todas as atividades que envolvem a concepção, desenvolvimento e manutenção de software exigem abstrações e ter em mente diversas questões para entender o fluxo de entrada e saída de dados e se não conseguimos ter espaço mental para isso – vamos errar mais, vamos levar mais tempo. E adivinhe? Estamos errando mais. estamos levando tempo. Estamos em meio a uma pandemia.

Está tudo bem, não estar bem. Ás vezes só de nos afirmamos e reafirmarmos isso, dá um fôlego para continuar trabalhando, nos deixando um pouco mais seguros.